Sobre Montaigne

Texto: Dos Canibais – Baixar arquivo nesse link MONTAIGNE, Michel de. Dos canibais [Ensaios]

Os ensaios de Michel de Montaigne (1533-1592) é um clássico universal que inaugurou um novo gênero literário e está entre as obras fundadoras da filosofia moderna. Apesar da profundidade da escrita do autor e de sua erudição, Os ensaios permanecem uma obra acessível e de leitura prazerosa, que conquista o leitor ao tratar de temas ainda atuais e de interesse geral, como a educação das crianças, o amor, o casamento, a guerra, o medo, a crueldade, a solidão, os vícios, a religião e a preparação para a morte. Não existe uma edição definitiva da obra de Montaigne, já que o autor revia seus ensaios à medida que os escrevia. A primeira versão dos Ensaios, de 1580, trazia apenas os livros I e II. Este volume inclui o livro III, tomando por base a edição póstuma da obra, publicada em 1595 e organizada por Marie de Gournay, jovem literata e admiradora de Montaigne. Os textos incluídos foram selecionados por M. A. Spreech, professor de Oxford e tradutor dos Ensaios para o inglês. Nascido em família abastada, Montaigne recebeu formação sólida e erudita. Foi alfabetizado em latim e chegou a prefeito de Bordeaux, cargo que já fora ocupado também por seu pai. Em 1571, aos 38 anos, retirou-se da vida pública para escrever sobre si mesmo e refletir sobre sua experiência íntima. Em seus devaneios, deixou-se levar pela investigação do assunto de que tratava, abordando os temas de maneira livre e digressiva, citando grandes autores da Antiguidade (como Platão, Sócrates, Aristóteles, Virgílio, Horácio, Cícero, Sêneca e Plutarco), do passado mais recente (como Santo Agostinho) e de seu tempo (como La Boétie, seu grande amigo). Apesar de Montaigne se apoiar em leituras de grandes clássicos da filosofia e abordar temas centrais para o entendimento da condição humana, seu pensamento não pode ser resumido a uma teoria ou sistematizado em linhas de força definidas. Para Erich Auerbach, que escreveu a introdução deste volume, o ensaísta criou uma nova categoria social: o homem de letras ou, simplesmente, o escritor. Segundo Marcelo Coelho, “antes que um pensamento, o que Montaigne oferece ao leitor é um modo de pensar”. E para Otto Maria Carpeaux, o estilo do autor francês tem “o encanto da conversa pessoal entre amigos”. Em certo sentido, portanto, ele é, além de inventor do ensaio, um dos precursores da crônica. Como observa a tradutora para o português Rosa Freire D’Aguiar, esta edição “procura conciliar o respeito ao original com a legibilidade para um leitor de hoje, apresentando-lhe uma versão cuja fluência, longe de banalizar a obra, o leve ao prazer da leitura de Os ensaios”.

Fonte: http://www.companhiadasletras.com.br/guia_leitura/85005.pdf